Dicas de segurança usando o sling

Carregar bebês em slings pode ser mais seguro do que carregar nos braços. Mas para que isso seja possível, é primordial que você esteja atendo à segurança do seu bebê e qualidade do seu sling.

Seja qual for o modelos de sling que você escolheu usar, aprender a usá-lo corretamente é o primeiro passo para garantir a segurança do seu filho.

Babywearing Seguro

Babywearing Seguro

REGRAS PARA UM PASSEIO SEGURO:

  • VERIFIQUE SE SEU BEBÊ PODE RESPIRAR: Slings ajudam os pais e ter mobilidade com os braços enquanto carregam seus bebê. Mas é importantíssimo que sempre estar atendo ao seu bebê. As vias aéreas devem estar SEMPRE desobstruídas, jamais seu bebê deve estar com o rosto colado no corpo do cuidador, com o nariz trancado.
  • QUEIXO ENCOSTADO NO PEITO, JAMAIS! – O queixo do bebê não pode estar colado no peito dele, essa posição obstrui as vias respiratórias do bebê. Recém-nascidos não têm controle muscular para erguer o pescoço quando com dificuldades respiratórias. Por isso, verifique se a posição do seu bebê no sling e certifique-se que ele está respirando normalmente.
  • NUNCA FAZER EXERCÍCIOS COMO CORRIDAS, SALTOS, OU QUALQUER ATIVIDADE QUE SUBMETA O BEBÊ A MOVIMENTOS BRUSCOS – Esse tipo de movimento pode provocar lesões no pescoço, coluna e cérebro do bebê.
  • NUNCA USE O SLING EM VEÍCULOS EM MOVIMENTO – A única exceção a essa regra são ônibus de transporte coletivo, que acaba sendo mais seguro carregar o bebê junto ao corpo. Mas em carros, motociletas, bicicletas e aviões, o uso do carregar de bebê é totalmente desaconcelhado.
  • VERIFIQUE SEMPRE SE SEU BEBÊ JÁ TEM CONDIÇÕES DE FICAR EM DETERMINADAS POSIÇÕES – Algumas posições do bebê são desaconselhadas em determinadas idades. Por isso, é muito importante que você se informe com a fabricante do seu sling, quais as posições indicadas em cada idade.
  • VERIFIQUE SEMPRE A QUALIDADE DO SEU SLING – Sempre observe as condições do seu sling, qualidade das argolas (se são testadas), limite de peso que seu sling suporta, qualidade do tecido, força das costuras. Não use seu sling se ele apresentar qualquer tipo de defeito estrutural e entre em contato com o fabricante.
  • CONFIRA SEMPRE SE SEU SLING ESTÁ BEM PRESO – Antes de se aventurar em passeios, tenha sempre a certeza de que amarrou seu bebê no sling ou ajustou seu sling de forma correta, para evitar problemas estando na rua com seu bebê.
  • CUIDADO COM SEU EQUILÍBRIO – Carregadores de bebês são uma forma prática e segura de carregar seu bebê. Mas todo cuidado é sempre bem vindo. Com o sling, perdemos nosso centro gravitacional, o que pode, em superfícies escorregadias, bicicletas, patinetes, momentos em que equilíbrio é imprescindível, fazem com que você caia com seu bebê.
  • ATENÇÃO ÀS ROUPAS QUE SEU BEBÊ USA – Bebês slingados ficam com a temperatura do corpo da pessoa que o está carregando. Por isso cuidado para não agasalhar demais ou de menos seu bebê.
  • MAIOR CONTATO COM SUPERFÍCIES – A magia do sling está em seu bebê poder ver e tocar tudo o que está ao alcance do adulto. Por isso todo cuidado é pouco. Certifique-se de que seu bebê não está pegando aquilo que pode engolis ou machucá-lo.
  • CUIDADO COM O QUE COLOCA NO SEU SLING – Não coloque itens pequenos ou perigosos dentro do seu sling, bem como brinquedos ou mantas que possam sufocar seu bebê.
  • JAMAIS COZINHE COM SEU BEBÊ NO SLING – Cozinhando com seu bebê no sling, você o expõem ao risco de graves queimaduras, isso porque a altura do bebê no slling é a mesma do fogão. Abrir fornos quentes pode provocar queimaduras pelo vapor, bem como microondas.
  • CUIDADO EM BARCOS – Pode parecer que carregar seu bebê em um sling quando em barcos, mas para tanto é necessário que seu bebê também esteja vestido com colete salva vidas. Pense que se você afundar, seu bebê irá junto com você.
  •  CUIDADO COM A CAUDA DO SEU SLING – Seu sling de argolas possui uma cauda que fica pendurada nas argolas. Cuidado ao subir escadas para não pisar na cauda do seu sling.
  • CUIDADO COM ESBARRÕES – Cuidado ao andar em locais com muitas pessoas circulando, essas pessoas podem não saber que no tecido que está amarrado ao seu corpo, tem um bebê.

Essas são dicas baseadas no site oficial Babywearing International.

Todo cuidado é pouco com seu bebê!

Sling é fácil de usar?

postslingfacil1Eu costumo dizer que existem pessoas que nasceram sabendo usar o sling. É sério! Elas chegam aqui com seus bebês, pegam o sling e parece mágica! Saem usando sem eu nem explicar nada.

Infelizmente eu não fui uma dessas pessoas. Meu sling chegou, eu estava ansiosíssima! Peguei o dito e fui tentar usar. Fracasso total! Não conseguia ajustar na argola, o Gabriel chorava… encostei. Não podia nem ver que me dava uma tristeza no coração.
Até o dia que precisei sair sozinha com o Biel, de ônibus. Com o sling na mão pensei: se um monte de gente consegue por aí, por que não eu? (Se você tem mais de 25 anos lembrou de uma música hein?)

E consegui usar! Andei de ônibus com o Biel e a mala cheia de coisas (que a gente nem usa, mas vai que precisa daquele aspirador nasal quando o bebê nem está gripado) todos me olhando porque eu ainda era meio desajeitada com a coisa toda.
A partir desse dia eu comecei a usar o sling sempre que saía ou que queria acalmar o pequeno. E eu usei até 2 anos e alguns meses quando engravidei da Lais (que usa sling desde que nasceu).

Se o sling for bem feito, com as argolas e tecido adequados e tiver um manual de instruções (e você prestar atenção nas instruções né? ;) ) é totalmente possível aprender a usar o sling corretamente. Tudo tem uma maneira correta de se fazer e com o sling não seria diferente!

postslingfacil2O meu veio sem manual, pesquisando descobri que a argola era em um diâmetro um pouco menor do que deveria para o tecido que era meio grosso. Encontrei vários vídeos e artigos na internet, a grande maioria de fora do Brasil, e várias pessoas que ja usavam o sling me deram dicas preciosas. Se você tem alguma amiga que usa o ideal é pedir ajuda para ela.

Mudamos de cidade e em todo lugar que eu andava com o Biel no sling me perguntavam onde eu tinha comprado, se eu fazia. Foi assim que comecei a produzir os slings. Antes de começar a produzir pensei em todas as dúvidas que me impediam de sair com o bebê dentro do sling para desenvolver o manual. São pequenos detalhes mas que tem muita importância como: deixar as bordas do tecido sempre espalhadas na argola (no sling de argola), deixar o sling numa altura confortável (em todos os slings), deixar o bebê na posição fisiológica (em todos os slings), que no final das contas definem se a pessoa vai conseguir usar ou não.

Não desista, depois que a gente aprende, se apaixona e não larga mais!

Se tiver alguma dica, experiencia pra compartilhar sobre o seu uso do sling, conta pra gente?

BjoS!

Posições no Wrap Sling

Wrap sling é um carregador de bebê confeccionado em tecido longo, no qual o cuidador carImagemrega o bebê junto ao seu corpo. Os benefícios do uso deste tipo de carregador de bebê são inúmeros. Associa-se ao uso do wrap sling a redução dos períodos de cólicas, prolongamento do sono e até diminuição dos episódios de choro dos bebês. Os bebês podem ser carregados em wrap slings desde o nascimento, não havendo limite de idade para ser slingado. É o modelo de sling utilizado no pelo método mãe-canguru com bebês prematuros.

O ideal é que se observe sempre se o sling é de qualidade e se não está com suas fibras danificadas.
É um modelo de carregador muito versátil, permitindo que o bebê seja carregado em diferentes posições, em geral nas mesmas posições em que é carregado no colo.
BARRIGA COM BARRIGA: É a posição fisiológica do bebê. Sua coluna e suas perninhas permanecem na posição uterina. Por ser carregado na vertical, é uma posição que favorece a digestão, sendo recomendado para bebês com refluxo. Nesta posição os bebês podem ser carregados desde o nascimento até enquanto o cuidador conseguir carregar (sempre observando o estado de conservação do tecido).
SENTADO DE LADO: esta posição é recomendada para bebês que já sustentam a cabeça e mantém o controlo do pescoço. É de fácil amarração e mantém o bebê integrado às atividades do adulto, favorecendo seu desenvolvimento.
NAS COSTAS: essa posição pode ser usada desde que o adulto tenha segurança em carregar dessa forma. É uma posição segura e favorece a autonomia do adulto, possibilitando que ele realize diversas atividades enquanto carrega o bebê jnto ao corpo. Assim como a posição anterior, mantém o bebê integrado às suas atividades.

DEITADO: Nesta posição, o bebê fica deitado no pano, como se estivesse sendo ninado no colo do adulto. É uma boa posição para amamentar os bebês.
DE FRENTE PARA O MUNDO: O bebê pode ser carregado nesta posição desde que tenha o controle do pescoço e sustentação da cabeça. Ele pode ser colocado de duas formas:
Com as perninhas dentro do pano, cruzadas
Com as perninhas para fora do pano, com os tecidos que formam as alças do sling abertas embaixo das perninhas e da bundinha do bebê, deixando-o sentado no pano (não com as perninhas penduradas). Muitos bebês gostam desta posição por enxergarem o mundo do alto, do ponto de vista do adulto.

Todo bebê pode ser carregado em um wrap sling. Como comentado acima, ele é muito versátil e permite que o bebê seja carregado no pano da mesma maneira que é carregado no colo.

Uma matéria sobre slings que poderia melhorar

Recentemente saiu uma matéria na Revista Crescer sobre slings. Na realidade foi mais uma nota que uma matéria.

Na opinião de várias fabricantes foi fraca e cheia de informações equivocadas. Por isso estamos em uma Blogagem Coletiva.

Vamos conversar sobre as informações corretas?

- O produto pode ser usado desde o nascimento do bebê. Inclusive e principalmente se ele for prematuro (vejam o Método Mamãe Canguru, o sling é o mesmo método  que pode continuar sendo usado por mais tempo). Dizer que pode ser usado a partir dos 4 meses é uma baita desinformação! Para não ter perigo de sufocamento é só usar corretamente. Por isso sempre procurem comprar o sling com quem sabe ensinar a usar ou envia um material com instruções. Minha filha nasceu prematura e usou o sling desde a maternidade.

- Na hora de ajustar o sling (o de argolas a gente ajusta a altura antes de colocar o bebê)  a cabeça do bebê deve ficar em uma altura confortável que você não precise se abaixar ou levantar o bebê para beijá-lo! Se eu deixar o sling na linha do quadril ele vai ficar lá embaixo!!!

- Temperatura. Aqui a regra é simples, se está calor e vai colocar o bebê no sling, coloque o mínimo de roupa possível. Bebês transpiram no colo, no berço, no carrinho e no sling também.

- Use pelo tempo necessário. Mesmo os slings que apoiam em um dos ombros permitem uma postura melhor que quando carregamos o bebê nos braços. A dica de mudar o ombro é ótima! Outra dica é usar um mei-tai ou um wrap que deixam o apoio nos dois ombros. E a posição não força o quadril nem as costas! Não fica pendurado, fica ergonômico ao contrário dos cangurus que deixam as perninhas penduradas.

Aos especialistas consultados na matéria eu sugiro pesquisarem mais sobre os slings e menos sobre os cangurus. Eu sei que o tempo é escasso mas são informações para uma maioria que nunca ouviu falar sobre o assunto. A mãe compra o sling e se priva 4 meses de usar porque acha inseguro. Bem nesses 4 meses onde o uso do sling é mais indicado.

As fotos poderiam ser melhores, os slings ali dobrados parecem todos o mesmo modelo. Os preços também estão super mal explicados. Há slings mais caros e mais baratos que isso.

Ainda sonho com uma matéria completa sobre os slings, falando de todos os modelos, benefícios e dicas reais de segurança. Tipos de argolas, tecidos… sonhar não custa.

Até mais!

Marilia Mercer | Slinguru Slings

PS: Os links eu vou colocando aqui enquanto as meninas terminam os posts.

 

     

    Semana Internacional do Babywearing

    Clique na imagem para ver a programação!

    Até mais!

    Como NÃO fazer um sling de argola

    Em uma cominidade sobre slings que eu participo no orkut uma das nossas colegas fabricantes de sling mostrou a seguinte “matéria” de uma revista de artesanato (que enquanto eu não conseguir contato com eles, não vou postar nome nem nada aqui):

    Como não fazer um sling de argola:

    Argolas em ACRILICO!!! A CRI LI COOO!

    Como se não bastasse o teor da “matéria”… ainda me colocam uma foto da pessoa usando o sling assim:

    Alguém consegue achar a argola?

    Agora você já sabe como NÃO fazer um sling, se você fizer um sling como a revista está ensinando ele será INSEGURO, e digo com CERTEZA que a argola irá ARREBENTAR e seu bebê poderá CAIR no chão!

    Até mais!

    Informações Equivocadas

    Agora as notícias sobre os acidentes com os carregadores baby bags (ou sling bags) pipocam também aqui no Brasil. O único problema é que eles colocaram todos os slings sob suspeita também.

    Eu como fabricante de slings sempre coloquei a segurança em primeiro lugar, inclusive fui buscar junto ao IPEM, INMETRO, desenvolver uma certificação para regulamentar a fabricação dos slings. Porém, isso seria muito caro para alguém que produz os slings artesanalmente como eu e várias fabricantes (que inclusive estão ali na lista ao lado).

    Com essas matérias saindo a todo instante, muitas informações equivocadas são repassadas e por isso resolvi fazer esse post.

    1. “Não se deve usar sling em recém nascidos.” Errado! Não se deve usar os Baby Bags em recém nascidos, o sling pode e deve ser usado inclusive por prematuros. Ele ajuda no desenvolvimento da respiração, na amamentação, no vínculo com a mãe. Se prematuros não pudessem usar o sling não existiria o Método Mamãe Canguru. Logicamente que existe a maneira correta de usar, o bebê deve estar na mesma posição que ficaria nos seus braços e com o nariz e a boca livres para respirar.
    2. “O sling só deve ser usado até o bebê atingir 10% do peso da mãe.” Errado mais uma vez. Esse conselho até é bom na teoria, mas só seria aplicável se TODA mãe ou pai não carregasse mais seu bebê no colo após ele atingir o peso correspondente a 10% do seu próprio peso. O sling ajuda a distribuir o peso no corpo de quem carrega o bebê, é muito mais confortável que carregar no colo principalmente em lugares onde você precisa ficar com o bebê e não tem como usar um carrinho!
    3. “Somente slings industrializados são seguros.” Errado. Slings são peças feitas de mãe para mães (ou pais, avós…). São peças artesanais, desde que bem feitos não necessitam ser industrializados. Aliás, os baby bags é que são industrializados e que causaram o acidente. O sling feito com paciência e cuidado não necessita ser produzido em série para ser seguro.
    4. “O sling é uma novidade, por isso não se tem muitas informações a respeito.” Errado. Esse blog é uma prova disso. Há muito tempo que disponibilizamos informações sérias sobre a segurança dos slings. É só dar uma passeada pelo blog que você vai encontrar várias informações sobre argolas, costuras, tecidos, etc.

    Por um outro lado tudo isso pode servir para uma certificação dos slings. Isso realmente é necessário, faz muito tempo que buscamos isso mas nunca ninguém se interessou. Abrimos até uma associação para poder unir quem fabrica slings com qualidade, infelizmente ela não está totalmente ativa ainda.

    Um sling bem feito e bem utilizado SÓ traz benefícios ao bebê e a quem carrega. Ele é um “ajudante do colo”, e colo é uma necessidade do bebê!

    Até mais!

    Atenção! Mais sobre segurança!

    Nos Estados Unidos circulou algumas notícias sobre mortes decorrentes ao uso de slings.

    Na verdade foram mortes que ocorreram no uso dos “baby bags” mais conhecidos aqui no Brasil como “o sling da Claudia Leitte”. Sempre batíamos na tecla de que esse tipo de carregador não poderia ser considerado um sling, já que não permite o ajuste e a segurança que um sling de verdade proporciona. Mas muitos pais levados pela falsa segurança que um produto “hi tech” proporciona, acabam optando por esses “baby bags”.

    Traduzi um artigo do site http://www.sleepingbaby.net que fala sobre essas notícias e deixa bem claro o porquê esses carregadores não são seguros. Segue o artigo:

    Meu sling é seguro? – ou – Nem todos os carregadores são iguais!

    Se você acompanhou os noticiários dos Estados Unidos por esses dias, sem dúvidas você viu muitas histórias sensacionalistas sobre so sling ser perigoso ou até mesmo mortal. Infelizmente existem carregadores de bebês que não são seguros, mas os meios de comunicação raramente são esclarecidos sobre as diferença entre os carregadores, então tudo fica focado em uma categoria “Oh meu Deus! Vai matar meu bebê!”. Bem, nós fabricamos slings desde 2000, e parte da comunidade de babywearing desde 2001, então estão aqui as coisas que aprendi.

    O que faz um sling ser seguro?

    Qualquer sling deve segurar seu bebê da mesma maneira que você seguraria em seus braços (os carregadores que usamos nas costas são uma exceção, a não ser que você tenha braços realmente flexíveis). Por exemplo, o sling de argola é geralmente usado com o bebê na vertical com a barriga contra o seu peito (posição barriga com barriga), da mesma maneira que você o carrega no colo, ou com o bebê numa posição diagonal ao seu corpo semelhante a que você usa para amamentár ou deitar ele no colo. As mesmas posições são as preferidas nos carregadores, wrap, meitai e pouch. Você sempre deve ser capaz de ver a cabeça e o rostinho do bebê sem ter que abrir o sling para isso, e ele deve sempre ser capaz de respirar livremente e com facilidade, com o pescoço reto e cabeça em posição neutra (não encostando o queixo no peito). Mais uma vez, essas posições embora necessitem de alguma prática , são possíveis em qualquer sling que seja seguro.

    O que você não deve fazer é carregar o bebê numa posição horizontal contra o seu quadril ou esmagado embaixo dos seus seios, mas é o que alguns carregadores forçam a fazer. Eles podem ter uma abertura com elástico, uma secção triangular e uma base rígida. As vezes para criar uma falsa seguranças ele vem com cintos para manter o bebê na posição correta. Esses carregadores são conhecidos como “Baby Bags” ou “Sling Bags” e apresentam diversas falhas no seu  projeto.

    • Primeiro, cortaram o acesso visual ao bebê com as laterais elásticas. É impossível ver o rosto do bebê a não ser que você segure as laterais abertas. Por ser assim fechado pode acumular dióxido de carbono no seu interior, reduzindo o consumo de oxigênio do bebê.
    • Em segundo lugar a base rígida não permite que o tecido molde de acordo com o corpinho do bebê e cria o perigo real do bebê “rolar” para o lado. Isso pode ser perigoso se o bebê rolar para o lado do corpo de quem o carrega, ainda que o carregador tenha uma “malha respirável” cria um risco de sufocamento.
    • Terceiro, o formato curvo da bolsa força o recém nascido a ficar com o queixo encostado no peito. No recém nascido a via aérea é muito estreita – mais ou menos do diâmetro de um canudo – e se o queixo fica encostado no peito isso pode comprimir a via aérea reduzindo ou até mesmo interrompendo o fluxo de ar. Isso se chama “asfixia posicional” e ocorre em qualquer dispositivo usado com o bebê que empurre a cabeça para frente como bebês conforto, carrinhos, assentos de carro infantis, carrinhos que ficam na posição vertical que não são para recém nascidos e balanços.
    • Em quarto lugar, o cinto de segurança que vem em alguns desses carregadores cria uma falsa segurança, pois bloqueia o bebê em uma posição desconfortável, instável e leva a pessoa que está carregando a acreditar que o bebê está seguro embola ele não possa ser visto.
    • Em quinto lugar, a grande maioria desses carregadores afirmam ser de tamanho único e que veste bem em todos, mas eles são muito grandes para uma mulher de tamanho médio vestir, e mesmo quando bem ajustado o bebê fica no nível do quadril enterrado no tecido.
    • Sexto e  não menos importante para o bebê, o ajuste limitado e a faixa muitas vezes estreita provoca desconforto para quem usa.

    Alguns modelos de “baby bags”:

    Para avaliar a segurança do seu sling tenha isso em mente:

    1. Você deve ser capaz de enxergar o rosto do seu bebê e verificar ele com facilidade sem ter que ficar abrindo o tecido.
    2. O carregador deve imitar a maneira como você carrega o bebê nos seus braços, se não deve pelo menos manter o bebê numa posição que deixe sua via aéra aberta.
    3. Deve ser fácil de conseguir deixar o bebê em uma posição segura sem ter que ficar tirando para ajustar fivelas ou outros dispositivos do tipo.
    4. O carregador deve caber bem no seu corpo e manter o bebê alto a apertado contra o seu peito, não em baixo nos seus quadris.

    Então, seu sling é seguro? Se ele se encaixa nos critérios acima e você está seguindo as instruções que vieram com ele, ele deve ser. Por mais bem feito que seja o sling ele não será seguro se você não estiver familiarizado para usá-lo com segurança. O mais simples pedaço de pano pode ser o mais seguro se usado corretamente (os carregadores mais elaborados como os “baby bags” são os menos seguros). Infelizmente as grandes empresas que fabricam esses “baby bags” não tem reconhecido o perigo que eles estão criando, apesar de terem sido notificados em 2006 que asfixia posicional e sufocamento foram uma preocupação (veja em: http://babyslingsafety.blogspot.com o trabalho de M´liss Stelzer uma enfermeira que realizou alguns testes informais com as principais marcas de “baby bags”). Três mortes foram agora conhecidas por terem ocorrido nesse tipo de carregador, uma família está abrindo um processo. O CPSC vai emitir um aviso, porém ainda não houve um recall o que ao meu ver é deplorável.

    Mais informações podem ser encontradas em (todos os sites em inglês):

    Por fim a segurança do seu bebê é sua responsabilidade, mas se você está começando com um carregador inseguro isso obviamente terá impacto no seu sucesso. Se você tiver qualquer dúvida quanto a segurança do seu carregador entre em contato com o fabricante ou com algum grupo de babywearing perto de você. A advertência da CPSC discute o bom posicionamento do bebê no carregador, embora não distigua entre os estilos de slings, é importente notar que é praticamente impossível carregar um recém nascido numa posição segura usando um “baby bag”.

    Fiz até um cartão de visitar que você pode imprimir para ajudar aqueles que não conhecem sobre os diferentes tipos de carregadores se informarem a respeito, se você quiser pode imprimir e levar com você (em inglês). Clique aqui.

    O texto é da Jan e  foi extraído e traduzido da página: http://www.sleepingbaby.net/safety.php

    Tradução: Marilia Mercer


    NOTA: O CPSC é como o PROCOM dos Estados Unidos (U.S. Consumer Product Safety Commission)

    Até mais!

    Blogagem Coletiva!

    slingOK

    Para participar é só copiar o selo e o texto e colar no seu blog!

     

    “Queridas mães, mulheres, amigas e leitoras do Blog.
    Numa lista de discussão super crítica e do bem surgiu uma preocupação muito grande sobre a grande “onda” de fabricação aleatória de carregadores ou babywearing ou os famosos slings…
    Algumas mães que estão atentas e que utilizam os carregadores há bastante tempo, têm se espantado com a péssima qualidade do tecido e das argolas comercializadas por aí…
    O preço geralmente muito abaixo e o risco altissímo.
    Um carregador mal feito pode colocar a vida do bebê em risco.
    Devemos ficar muito atentas à qualidade do tecido, das argolas e especialmente ao fabricante!
    Não compre gato por lebre! Pesquise muito antes de comprar seu sling e nesse quesito não economize.
    O carregador adequado pode ser utilizado por muito tempo e vale cada centavo do investimento!

    Informações IMPORTANTES aqui:  SLING SEGURO
    Por isso, mamães fiquem espertas e de olho aberto!
    Peçam orientação, pesquisem, questionem o material e o modo correto de usufruir dos imensos benefícios do carregador!
    Quem quiser aderir à blogagem, pode copiar o selinho e espalhar este alerta!
    Diga não aos slings fakes!!! Vamos espalhar informação de qualidade!”

    Obrigada Pérola por ter linkado o nosso blog!

    Até mais!

    Mais um artigo sobre argolas!

    Contribuição da Maristela da BsB Slings!

    Atenção Consumidor! Segurança das argolas

    Saiba aqui as diferenças entre plástico, acrílico e nylon, ferro, inox e alumínio!

    ARGOLAS DE ACRÍLICO:

    USO: para slings de brinquedo, apenas para carregar bonecas, têm apenas uma vantagem: são bonitas e fáceis de encontrar em papelarias e armarinhos.

    DESVANTAGENS: todas! Extremamente frágeis e quebráveis.
    O que é acrílico? é um material termopástico rígido e transparente; também conhecido como “vidro acrílico”. É menos denso que o vidro (mais leve) e tem maior ponto de impacto que ele. Ou seja, quebra em pedaços grandes e não em pequenos estilhaços.

    CONSIDERAÇÕES: Só de ser um material comparado ao vidro, mesmo sendo um plástico não precisa dizer mais nada. IMPRÓPRIO PARA SLINGS!

    ARGOLAS DE MADEIRA:

    VANTAGENS: Para slings de brinquedo, para carregar bonecas, podem ser uma boa opção de acessibilidade, pois podem ser facilmente encontradas em lojas de cortinas, artigos de artesanato, armarinhos em geral.

    DESVANTAGENS: Todas! Frágeis e perigosas. Até para slings de brinquedo são ruins, pois em contato com água apodrecem e atraem microorganismos.

    CONSIDERAÇÕES: difícil imaginar o que passa pela cabeça de quem fabrica slings com argolas de madeira. O sling será lavado inúmeras vezes, as argolas não saem do sling e vão junto com o tecido para a água. Muitas vezes!!!! Irão enfraquecer, acumular micróbios, mofar. Péssimas!!!!

    ARGOLAS DE FERRO:

    VANTAGEM: resistência.

    DESVANTAGENS: Oxidam, ou seja, enferrujam. Pesadas.

    CONSIDERAÇÕES: Muitas argolas aparentemente adequadas, e até bonitas, são na verdade, feitas de ferro. São geralmente revestidas por uma camada de níquel, zinco ou cromo, que são metais pesados, tóxicos, mas que dão a aparência brilhante e bonita à argola. Com impactos, esta camada geralmente solta-se da argola, descascando. O lugar onde descasca fica desprotegido e enferruja em contato com a água. Uma dica para saber se a argola é feita de ferro é aproximá-la de um ímã. Se o ímã gruda, a argola pode ser linda, mas é de ferro e desaconselhamos o uso.


    ARGOLAS DE AÇO INOX COM EMENDAS

    VANTAGENS: resistentes, se de boa procedência; preço mais acessível.

    DESVANTAGENS: depende da emenda. Geralmente são soldadas, e a qualidade desta solda é que vai definir se a argola é resistente. E também a maneira como foi feita a solda. São um pouco pesadas.

    CONSIDERAÇÕES: Fabricantes sérios e tradicionais no Brasil comercializam slings com argolas de aço inox com emendas sem problemas, pois conhecem a procedências das mesmas e preocupam-se com a qualidade do produto (afinal, têm um nome a zelar). Mesmo assim é preciso observar se as emendas são discretas, pois emendas muito grosseiras podem danificar o tecido do sling durante o ajuste e durante os movimentos naturais do uso, na parte em que estão fixas. Este dano pode oferecer riscos.

    ARGOLAS DE AÇO INOX SEM EMENDAS ACHATADAS

    VANTAGENS: Bonitas e resistentes.

    DESVANTAGENS: Elas travam o sling com mais propriedade que as argolas cilíndricas. Travam até demais, dificultando o ajuste durante o uso. Esta dificuldade de ajuste faz com que a pessoa force mais o tecido ajustando, podendo até danificá-lo, principalmente se o uso e as tentativas de ajuste forem muito constantes.

    CONSIDERAÇÕES: As argolas achatadas funcionam como fivelas, sendo mais fácil folgar o tecido durante o uso do sling do que apertá-lo. Fica difícil ter de retirar a criança do sling para realizar os ajustes, então as pessoas acabam ajustando mal o tecido, tornando o uso desconfortável e, se estiver folgado demais, a criança não fica segura. Algumas pessoas desistem de usar o sling por causa disto.

    ARGOLAS DE AÇO INOX SEM EMENDAS

    VANTAGENS: Muitas. Extremamente seguras. Brilhantes, realmente muito bonitas. 100% lisas, facilitam o deslize dos tecidos durante os ajustes.

    DESVANTAGENS: São poucos fabricantes no Brasil que produzem estas argolas, então o acesso é bem restrito. Algumas pessoas acham pesadas.

    CONSIDERAÇÕES: Se o fabricante de slings que você contatou utiliza estas argolas, pode ter certeza de que se trata de um excelente produto e de que é uma pessoas realmente criteriosa com a escolha das matérias primas.

    ARGOLAS DE ALUMÍNIO

    VANTAGENS: geralmente são produzidas nos Estados Unidos por uma empresa que exporta estas argolas para fabricantes de slings no mundo inteiro. São feitas exclusivamente para este fim, e o fabricante dispõe de laudos técnicos atestando a resistência delas mediante testes de laboratório. São muito bonitas e possuem um brilho fosco. São leves e resistentes. Suas dimensões e características são consideradas ideais.

    DESVANTAGENS: O preço. A compra é feita em dólar, e sofre as sua variações de valor. Além disto, tem os impostos e taxas alfandegárias, que são repassadas ao produto.

    CONSIDERAÇÕES: São, sem dúvida, uma excelente opção e altamente recomendadas, mas muitos fabricantes buscam outras alternativas igualmente seguras visando tornar o preço do sling um pouco mais acessível.

    ARGOLAS DE NYLON INJETADAS


    O QUE É NYLON?
    O nylon é um polímero amplamente utilizado na indústria. Com o nylon fabricam-se tecidos, linha de pesca, cordas para violão, parafusos e engrenagens para a indústria, linha para sutura em cirurgias, pois é um material extremamente resistente ao desgaste e tracionamento, além de ser inerte ao organismo (atóxico). Usado também em pára quedas, cintos de segurança, equipamentos de rapel e alpinismo. Nylon é nylon, e plástico é plástico: coisas bem distintas!

    VANTAGENS: Muitas! São leves, muito resistentes, atóxicas, duráveis, laváveis, podem ser encontradas em diversas cores.

    DESVANTAGENS: Fabricação restrita, preço.

    CONSIDERAÇÕES: Altamente confiáveis, sejam nacionais ou importadas do mesmo fabricante de argolas de alumínio norte-americano. O nylon é injetado em formas cilíndricas e por esta razão as argolas são inteiriças.

    ARGOLAS CONTRA-INDICADAS: de madeira, acrílico, de ferro niquelado, cromado ou zincado, e plástico.

    ARGOLAS COM INDICAÇÃO RESTRITA: de aço inox com emendas; ou achatadas, ainda que inteiriças.

    ARGOLAS ALTAMENTE RECOMENDADAS: De nylon, nacionais ou importadas; de aço inox sem soldas ou emendas (cilíndricas); de alumínio, importadas.

    Lembre-se: as costuras devem ser reforçadas e bem feitas. Os tecidos devem ser resistentes, de boa procedência. Existem tecidos baratos, alguns chineses e coreanos que não recomendamos. Preferimos e utilizamos tecidos produzidos no Brasil.

    Texto: Maristela Holanda, para BsB Slings.
    Fonte: http://www.bsbslings.blogspot.com

    Seguir

    Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.